Mercedes-Benz faz o seu 2.500.000º motor

0

Todos foram produzidos na fábrica de São Bernardo do Campo, que a empresa mantém há 55 anos. Os primeiros nem tinham injeção direta. Os seguintes,Todos foram produzidos na fábrica de São Bernardo do Campo, que a empresa mantém há 55 anos. Os primeiros nem tinham injeção direta. Os seguintes,que equiparam os 1113 e 1313, foram consagrados pelos usuários

A Mercedes-Benz fechou 2009 com um marco histórico: 2,5 milhões de motores produzidos em sua planta de São Bernardo do Campo, São Paulo. Os primeiros a saírem da linha em 1956 com as denominações OM 321, 326 e 324, utilizavam injeção indireta, realizada numa pré-câmara de combustão.

O presidente JK funde o primeiro bloco de motor para um caminhão MB, em 1955

Em 1969, a marca realizou o primeiro grande avanço tecnológico dos motores diesel no País, com o lançamento do OM 352, de aspiração natural e potência de 130 cv, introduzindo o sistema de injeção direta. Até o início da década de 90, foram produzidas 789 mil unidades do OM 352, que equipou modelos consagrados como os 1113 e 1313.

Além de fabricar motores para caminhões e ônibus, a Mercedes-Benz do Brasil também fornece componentes e motores completos para outras unidades do Grupo Daimler, como os veículos comerciais leves Sprinter na Argentina, os caminhões pesados Freightliner nos Estados Unidos e os ônibus Citaro na Alemanha.

“A força da nossa marca está na união da disciplina alemã com a criatividade brasileira”, diz Bart Laton, diretor de produção de motores, câmbios e eixos, explicando que a Mercedes-Benz do Brasil não é apenas uma montadora, mas a maior fabricante de caminhões a manter em uma única planta a fabricação de todos estes componentes. “O que consideramos essencial para a qualidade do motor nós também usinamos aqui”, completou Bart, referindo-se à produção de 150 mil peças por mês.

FUTURO – A Mercedes conta, em sua fábrica de São Bernardo do Campo, com um Centro de Desenvolvimento Tecnológico – CDT. Criado em 1991, ele é pioneiro no Brasil na área de veículos comerciais, o maior da América Latina e da Daimler AG fora da Alemanha.

Nesse centro estão sendo desenvolvidos motores e sistemas de pós-tratamento de gases de escape para caminhões e ônibus, visando atender à legislação de emissões Conama P7, que entrará em vigor em 2012.

Esta norma exigirá a redução de 80% nas emissões de material particulado e de 60% nas emissões de óxido de nitrogênio (NOx), em comparação com a legislação atual, o que vai diminuir também as emissões de fumaça e de gás carbônico.

“Nossos motores que atenderão aos requisitos do P7 também gastarão menos combustível que os atuais”, informa Gilberto Leal, gerente de Desenvolvimento de Motores da empresa.

Compartilhar

Deixe um comentário