Maior economia, a mensagem da Scania

0

Montadora diz que as várias mudanças na linha Streamline levam à redução do consumo de combustível. Com o pacote de serviços, então…

A economia de combustível é o principal foco das mudanças introduzidas nos novos caminhões que já começaram a ser vendidos para entrega em outubro. Os preços partem de R$ 380 mil para o modelo de cabine G de 360 cv com tração 4×2, e no geral são 8% mais altos que os da linha atual.

A escolha é do cliente, mas a Scania garante que, se adquirir os novos caminhões da linha Streamline junto com um pacote de serviços, o consumo de combustível pode ser reduzido sensivelmente.

Também com cabine G, está disponível o modelo de 400 cv e torque que varia de 1.850 a 2.100 Nm. As cabines R Streamline e R Highline Streamline estão nos modelos com potências de 400, 440 e 480 cv, com motores de 13 litros. Os de 560 e 620 cv – este, o caminhão mais potente do mercado brasileiro – são equipados com motores V8 de 16 litros, ainda sem acesso ao Finame.

Disponíveis nas versões 4×2, 6×2 e 6×4 com torques que variam de 2.100 a 3.000 Nm, a intenção da Scania é vender não apenas o veículo, mas uma solução que englobe produto e serviço. As opções são as seguintes: o novo Programa de Manutenção Scania formado por quatro categorias (Premium, Trem de Força, Standard e Compacto), a Manutenção Flexível, o Sistema de Diagnose e Programação Scania e Consultoria de Desempenho, que emite relatório detalhado sobre a forma como o caminhão tem sido dirigido. Outra novidade é a opção pelo uso do óleo sintético no lugar do mineral, que dobra o intervalo de troca.

Os Scania Streamline trazem ganhos que se somam aos já obtidos com o trem de força e a caixa automatizada Scania Opticruise, e podem significar 4% de economia de combustível.

Para atingir esse índice, com o Streamline foi introduzido o modo econômico do Scania Opticruise, que representa metade desse total; mudanças no sistema de lubrificação da caixa automatizada, a aerodinâmica da cabine e o piloto automático fazem o resto.

Ainda segundo os técnicos da montadora, o defletor de ar, que é de série, também traz economia de 4% no consumo de diesel. “Não são apenas os caminhões com baús ou carga alta que precisam de defletores, os de carroceria baixa também podem se beneficiar desse equipamento”, explica Celso Mendonça, gerente de Pré-Vendas da Scania do Brasil.

Eronildo Santos, diretor de Vendas de Veículos da Scania, afirma que o Streamline está “um degrau acima em rentabilidade, disponibilidade e economia para o cliente”.

E Silvio Renan Souza, gerente de Vendas de Peças e Serviços da montadora, completa: “Com um caminhão premium junto com o mais completo pacote de serviços já oferecido pela Scania no País, o cliente terá muito mais disponibilidade do seu veículo.”

OPTICRUISE E ECOCRUISE – Lançada em 2001, a caixa automatizada Opticruise já equipa mais de 90% dos pesados vendidos pela Scania. Esta é a quarta geração do equipamento, disponível de série para toda a nova linha. Com a função econômica, passou a ter quatro modos de condução, além de novo sistema de lubrificação.

O Opticruise permite mudanças de marchas mais rápidas. Seu software escolhe a melhor marcha a ser utilizada em cada situação, fazendo a análise da topografia, do comportamento do motorista e o ajuste do desempenho do motor de acordo com o peso da carga e do implemento tracionado.

Outro recurso para reduzir o consumo de diesel é o Ecocruise, o piloto automático que ajuda o condutor a obter o melhor desempenho do caminhão tanto na subida quanto na descida. No Streamline ele pode ser ativado no próprio painel e vem de fábrica.

Nos aclives, o sistema proporciona aceleração total até que a subida comece a chegar ao fim. No declive, atua até atingir a velocidade ajustada no Scania Retarder. No fim da descida, o sistema utiliza o peso da composição para manter a velocidade, acelerando quando necessário, em vez de retornar de imediato para a velocidade ajustada no controle prévio.

Do lado de fora do caminhão, a preocupação com o consumo se manifesta nos desenhos aerodinâmicos da cabine que incluem a grade frontal, o quebra-sol e as laterais suavizadas da frente da cabine, que também diminuem a resistência do vento e o ruído.

No interior do Streamline, o visor do computador de bordo, no painel, passa a ser colorido e de 6,5 polegadas, em alta resolução e de fácil leitura.

Existe um bafômetro no painel. O caminhão só dá partida após o motorista fazer o teste e comprovar que não está alcoolizado.

Outra novidade é o eixo traseiro R885. Sua capacidade máxima de tração foi aumentada em 18%, passando a tracionar 78 toneladas. Esse fato deve elevar em 50% a vida útil do componente.

Compartilhar

Deixe um comentário