Contran autoriza super rodotrem de 11 eixos e 91 toneladas

11

Na foto, o atual rodotrem de 9 eixos e 74 toneladas; na ilustração, o novo, com 11 eixos e PBTC de 91 toneladas

Na foto, o atual rodotrem de 9 eixos e 74 toneladas; na ilustração, o novo, com 11 eixos e PBTC de 91 toneladas

Nelson Bortolin

Revista Carga Pesada

Por pressão do setor sucroalcooleiro, o Conselho Nacional do Trânsito (Contran)  autorizou uma nova combinação de veículo de carga (CVC), com 11 eixos e peso bruto total combinado (PBTC) de 91 toneladas.  A resolução é a 640, com data de 14 de dezembro. Mas a normal ainda precisa de regulamentação. Os critérios para concessão de Autorização Especial de Trânsito (AET) para a CVC ainda serão publicados.

Com a 640, o Contran elevou os antigos limites máximos para PBTC, que era de 74 toneladas, e de número de eixos, que era de 9, no rodotrem. O engenheiro mecânico especializado em transporte rodoviário de carga,  Rubem Penteado de Melo, da TRS Engenharia de Curitiba, batizou a nova CVC de “super rodotrem”.  “É uma modernização, mas é claro que ela terá condições especiais para circular porque não podemos colocar em risco as obras de arte (pontes e viadutos)”, afirma.

Clique-aqui para baixar a resolução.

Compartilhar

11 Comentários

  1. O Eng. Rubem faz uma ponderação importante. Num momento em que nossas estradas não resistem ao impacto das CVC já autorizadas há essa liberação.
    Não podemos esquecer que já observávamos composições com pesos acima do previsto, sem ser incomodadas, pois sabem que a fiscalização do DNIT inexiste ou é ineficiente.
    Há a necessidade por certo de treinamento especial aos condutores destas novas composições, pois o que vemos na prática, principalmente no Nordeste são alguns “motoristas” despreparados para condução destas composições. Aliado a isto sinalização precária à saída dos canaviais, placas inexistentes, falta de sistema de alerta para os condutores das carretas da aproximação das rodovias, que geram acidentes graves.
    Todo este cenário deveria ser observado pelo Contran antes que a medida fosse implementada em definitivo.

  2. Marcos Oliveira em..

    Acredito que os engenheiros pensaram em cada ponto para chancelar esse projeto, mas temos em contramão a pressão política e empresarial, para o chamado “jeitinho brasileiro”, abrindo lacunas no projeto dantes aprovado.
    São necessários estudos e readequações de nossa malha viária, assim como treinamento adequado aos operadores de transporte. Nossas rodovias não comportam esse impacto de imediato… é necessário que o país cresça e a economia seja abrangente… mas com responsabilidade.
    Logo estaremos vendo essas composições rodando nos centros de cidades, e em todos os seguimentos de transporte… e haja asfalto.

  3. Hérculles Ribeiro de Souza em..

    Acredito eu que primeiro, para ser autorizada este tipo de implemento deveria ter uma especialização por parte de quem irá guia-lo, melhores estruturas nas rodovias e postos de parada.
    O Brasil não tem infraestrutura nem para 9 eixos imagina para 11 eixos com capacidade de 91 Toneladas.

  4. Chega de culpa o motorista,culpe quem liberar essas merda, a polícia que não educa n fiscaliza mais sim toma dinheiro dá alimentação dos motoristas,dos carros despreparado para andar junto na mesma rodovia,…….

  5. É engraçado composições maiores, enquanto as cabines de caminhões permanecem com os mesmo tamanho, triste esse Lobby dessas fabricantes e dessa lei que limita o tamanho do conjunto de para-choque a para-choque!!!!

  6. O grande problema desses carros enormes e ultrapassar ! imagine o espaço que um carro 1000 precisa para passar, alto risco de acidentes, muito bom mas não temos estradas para isso !!

  7. nivaldo leite de souza em..

    ESSES AÍ DEVERÃO RODAR NAS ESTRADAS COM CARGA DE 200 TONELADAS POIS OS ATUAIS 9 EIXOS JA RODAM COM 120 TONELADAS SEM SEREM INCOMODADOS. PEGAR ESTRADA, SALVE-SE QUEM PUDER. SÃO SEGURADOS E A VIDA DOS CONDUTORES É O QUE MENOS IMPORTA AOS GANANCIOSOS.

  8. Só pecisa melhorar e muito os fretes. E acabar esse tal retorno pois a distância e o consumo e a mesma então o frete retorno tinha q ser o mesmo valor. Não adianta aumentar o conjunto se os fretes vao continuar a mesma porqueira. As tal de transportadora tão comendo o lucro do caminhão. Pronto falei. ..

Deixe um comentário