Embarcadores fazem caminhoneiro trocar nota fiscal até 4 vezes

6

Cons. Scania - Dreamline

Nelson Bortolin

 

Como se não bastassem todas as dificuldades já existentes, as tradings vêm impondo um novo sofrimento para quem atua no transporte rodoviário de grãos. Caminhoneiros que trabalham em Mato Grosso reclamam que são obrigados a trocar notas fiscais nos escritórios dessas multinacionais no trajeto até o transbordo da soja nos terminais da ALL. Exemplificam que, de Lucas do Rio Verde a Rondonópolis, chegam a fazer quatro trocas. Ninguém explica o porquê.

mais-buracos-alta-araguaia

O diretor do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos (Sindicam), de Santos, Alexsandro de Vasconcelos Freitas, conta que o assunto foi discutido numa reunião no Ministério dos Transportes, na última quarta-feira (5). O encontro em Brasília era para discutir o sistema de agendamento de descarga no porto paulista, mas as lideranças da categoria aproveitaram para reclamar do problema.

“Com essa história de ficar trocando de notas, o caminhoneiro perde três ou quatro dias esperando. É um absurdo”, reclama o sindicalista. Segundo ele, as tradings não explicam a razão das trocas. Mas uma das hipóteses levantadas pelos caminhoneiros é que seja uma forma de segurar a soja mais tempo sobre os caminhões, já que as empresas não têm armazéns suficientes para a crescente produção brasileira.

Também presente na reunião no Ministério dos Transportes, o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Santos (Sindisan), Marcelo Marcos da Rocha, ficou indignado com a exigência das tradings. “Essas multinacionais mandam em tudo. Não querem investir em silos, preferem fazer os caminhões de armazéns. Ainda se queixam do valor do frete. Ninguém sabe quanto essas empresas ganham”, critica.  Para ele, o governo federal deveria fiscalizar o troca-troca de notas fiscais.

A reportagem pediu esclarecimento para as maiores tradings que operam no País, mas nenhuma deu retorno. A Carga Pesada ainda procurou a entidade que representa essas empresas (Anec), que também não respondeu. 

A Secretaria de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz-MT) informou que “está atenta e vigilante quanto à conformidade” dos documentos que acompanham as operações de compra e venda e de transportes no Estado e que a troca de notas fiscais, “em algumas situações, é própria do negócio. Veja a íntegra da nota enviada pela Sefaz à Carga Pesada:

 

A Secretaria de Fazenda de Mato Grosso (Sefaz-MT) informa que está atenta e vigilante quanto à conformidade dos documentos que acompanham as operações de compra e venda, e de transportes no Estado. Em relação à troca de notas fiscais, em algumas situações, essa dinâmica é própria do negócio. No entanto, a Secretaria alerta que as informações constantes do Conhecimento de Transporte Eletrônico (CT-e) e do Conhecimento de Transporte Avulso (CTA-e) devem estar em conformidade com a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), já que isso é passível de sanção nos cruzamentos futuros e nos controles de trânsito. Por fim, a Sefaz destaca que mantém reuniões constantes com as entidades que representam os transportadores autônomos em Mato Grosso para esclarecer e aperfeiçoar as questões fiscais que envolvem o segmento.”

 

Mercedes - As estradas falam
Compartilhar

6 Comentários

  1. Vocês procuraram o órgão correto a SEFAZ. Acredito que também deveriam fazer uma consulta à Receita Federal.
    É interessante observar se não estão fazendo substituição tributária na movimentação da carga.
    As notas são rigorosamente iguais? Ou a cada trecho é feito um ajuste (para menos) na referida nota.
    Valores de peso, frete, ICMS, seguro, são mantidos ou alterados ao longo do percurso?
    Com a palavra os órgãos de fiscalização.
    Dai-nos paciência para tolerar tanto descaso com a categoria.
    Alex.

  2. Luiz Carlos dos Santos em..

    As SEFAZ só brigan com motoristas de trechos,as empresas desenbolsam muito dinheiro pra estes pilantras,porém é nos que transportamos toda a safadeza feita e aceitamos de boca fechada,não tem fiscalização pra trabalho escravo de estradeiro.!!!!!!!!!

  3. TAL FATO SE DÁ EM FUNÇÃO QUE ESTAMOS FALANDO EM “MULTINACIONAIS” OU DE “GRANDES EMPRESAS” BRASILEIRAS COMO JÁ COMENTADO.
    MAS SE TAL OPERAÇÃO FOSSE EXECUTADA POR UMA MICRO OU ATÉ MESMO UMA MÉDIA EMPRESA BRASILEIRA. COM TODA CERTEZA OS “TAIS FISCAIS” DOS DEVIDOS ÓRGÃOS DO PODER PÚBLICO JÁ ESTARIAM ENGRAVATADOS DE POSSE DE SEUS NOTBOOKS E PRONTAMENTE PREPRARADOS PARA FAZER E DEVIDA FISCALIZAÇÃO E CONSEQUENTEMENTE A APLICAÇÃO DE UMA “POMPUNDA” MULTA.
    MAS ISSO É BRASIL!!!
    O QUE NOS RESTA É REZA!!!
    UM ABRAÇO AOS AMIGOS DA ESTRADA

  4. João Cavalheiro em..

    éssa história de trocar nota até 4 ves antes do destino ten 2 alternativa ca comigo acho ten cheiro de esvaziar o armazen para abrir espasso não carecer pagar estadias aos caminhão parado ou para fujir do leão me parece que as duas ipotesse são validas talves

Deixe um comentário