Contran exige novo dispositivo de segurança para basculantes

9

ZF Tecnologias

Depois de instalado o equipamento, veículos precisam passar por inspeção veicular o obter novo CSV

Nelson Bortolin

Entrou em vigor dia 1º de janeiro a obrigatoriedade de novos dispositivos de segurança para carretas basculantes e caçambas basculantes. Regulamentada pela resolução 563/2015, a novidade atinge todos os implementos do tipo em circulação no País. Os donos desses veículos podem optar por dois sistemas, o A ou o B.

O primeiro consiste num combinação de dois dispositivos: um que exige do motorista ou operador dois comandos para acionar a tomada de força e outro que emite aviso visual e sonoro quando o basculamento está sendo realizado. Já o tipo B combina o primeiro dispositivo do tipo A com outro eletrônico que desliga a tomada de força, evitando a elevação da carreta, toda vez que o veículo atinge 10 quilômetros por hora ou mais de velocidade.

Com a resolução, o Contran quer evitar acidentes como o que ocorreu na Rodovia Anchieta, em São Bernardo do Campo, em novembro de 2015, quando uma carreta basculada derrubou uma passarela. Veja abaixo imagens da TV do Diário do Grande ABC.

Gerente de pós-venda da Rodoeste, concessionária Randon em Cuiabá, Rodrigo Stecanela conta que a procura pelos equipamentos começou em julho do ano passado e muita gente ainda não os instalou. Na Rodoeste, só está disponível o do tipo A, a um custo de R$ 350. “Nós instalamos embaixo do banco do motorista”, conta. Stecanela diz não entender como ocorrem os acidentes com carreta elevada, uma vez que, sem os complementos trazidos pela resolução 563,  os sistemas já seriam bem seguros. “O motorista têm de acionar uma alavanca que sobe e desce e que conta com dispositivo de trava”, alega.

Depois de instalado o equipamento, o motorista precisa levar o veículo para inspeção veicular, já que a resolução, em seu artigo 5º, estabelece: “A apresentação do Certificado de Segurança Veicular (CSV) será exigida anualmente para o licenciamento destes veículos.”

A reportagem apurou que uma inspeção do tipo sai entre R$ 500 e R$ 700 por veículo, sem as taxas do Detran.

BRONCA

Diretor executivo da Associação dos Transportadores de Mato Grosso (ATC), Miguel Mendes não é contrário à instalação dos equipamentos, mas critica a burocracia e os custos.  “O dispositivo de segurança não modifica as característicos do veículo onde é instalado, e muito menos nos semirreboques basculantes que não sofrem qualquer tipo de alteração. Mesmo assim, a resolução do Contran exige inspeções periódicas de segurança anuais. E só libera o licenciamento destes veículos após a emissão do Certificado de Segurança Veicular (CSV)”, afirma.

De acordo com ele, em sua região (Rondonópolis), o proprietário de um bitrem basculante terá que desembolsar em torno de R$ 4 mil neste primeiro momento para atender à nova legislação e em torno de R$ 2 mil ao ano para custear as inspeções periódicas.

O engenheiro mecânico Rubem Penteado de Melo, da TRS de Curitiba, diz que os novos dispositivos de segurança são importantes pois evitam que os motoristas acionem a tomada de força sem querer durante a viagem. E garante que os acidentes do tipo são “frequentes”. Para ele, a inspeção do sistema é importante, já que os equipamentos podem ser adulterados. “É uma questão muito técnica, não dá para deixar para a fiscalização da Polícia Rodoviária”, entende.

O engenheiro não acredita que o Contran irá exigir dos transportadores que façam duas inspeções veiculares por ano. Para ele, aquela prevista na resolução 563 será substituída pela mais abrangente instituída pela 716, que passa a ser obrigatória no ano que vem.

A reportagem questionou a assessoria do Contran a esse respeito, mas ainda não obteve resposta.

ZF Tecnologias
Compartilhar

9 Comentários

  1. Welligton da Torre em..

    A instalação de dispositivos que agregam a segurança é realmente necessária e boa, porém a obrigatoriedade dessa inspeção é absurda e o custo deveria ser baixo, aja vista que é uma inspeção muito simples que não exigi conhecimento de “doutores” para sua aprovação. Vejamos o exemplo de obrigatoriedade de inspeção do tacógrafo logo a pós o caminhão sair de fábrica, é brincadeira de roubar nossa grana, não? Pois o inspetor sabe mais que o fabricante, essa é dura para aguentar, mas como tudo gira em torno de enriquecer alguém ai somo obrigados a aceitar tudo que nos é impostamento forçado!
    Isso é o Brasil, penso que esse grupo de “legisladores! não existe nenhum conhecedor de caminhão ou do sistema de funcionamento dos mesmos (salvo engano)! São meros “touros sentados” que estão ali para defender interesse de órgãos de inspeção…

    • clóvis kochenborger em..

      Welington, acho que esta ideia é um verdadeiro absurdo e sequer estão respeitando a época em que cada veículo foi fabricado. Se funcionou até então, é porque não deve ter apresentado problema até agora, porém devido a um ou outro descuidado ter mantido a caçamba levantada ou (duvido) acionado acidentalmente o sistema basculante, tenha causado algum problema como dizem. Comentando o absurdo com um caçambeiro experiente, que trabalha em veículos novos e antigos, o mesmo achou graça do absurdo e afirmou que é muito mais provável o sistema acionar acidentalmente no novo modelo imposto do que no antigo que funcionava mecanicamente. Eu tenho uma caçamba chevrolet 78, mantida no caparicho, inclusive com pneus novos e motor e caixa revisados, bem como o sistema hidráulico de levantamento que nunca apresentou qualquer problema e, diante de tal absurdo, JAMAIS trocarei um sistema confiável por um eletrônico, cheio de senões. Prefiro aposentar minha caçamba do que me dobrar a esta turma de gente duvidosa e, no mínimo, oportunista para fazer a adaptação exigida. E se pensam que vou comprar uma nova, nem que chova canivetes pois neste País da baderna e desorganização não tem porque continuarmos investindos para graças destes tubarões.

  2. Waldecyr Batista castilho em..

    Os caminhões automáticos não necessitam quando a caixa engata uma marcha desliga automaticamente a bomba de levantamento da caçamba precisa que isso seja revisto…

  3. clóvis kochenborger em..

    Na verdade, não passa de mais um absurdo criado para dificultar e onerar cada vez mais a difícil vida do trabalhador caçambeiro e, se bem pesquisado, enriquecer algum grupo protegido por este Brasil afora. Além das cidades não estarem estruturadas para a adaptação do sistema, que já deveria vir de fábrica e permanente, os custos intermediários são fora da realidade da vida dessa classe trabalhadora. E ainda tem a cara de pau de exigirem vistoria anual….

  4. Pode ver que só caminhão com o cistema Novo que causou acidentes ou não porque não sobe sem que o motorista deseja. É mais está exigindo por uma mudança que em várias cidades brasileiras não tem para fornecer as peças e nem a montagem como pode o Denatran ladrão quere impor uma resolução onde que não tem o que eles querem no mercado. Ms tem muitos pai de família que foi fazer documentos do caminhão no Detran e o mesmo agil de má fé por depois que o cidadão paga o documento eles segura os documentos até passar pelo Inmetro isso é sacanagem com o caminhoneiro fazem as leis sem saber de merda nenhuma é que se foda o cidadão. Eu e minha família trabalha no ramo de caçambas e não está No conseguindo fazer essa merda por não acha as peças e quem estala no caminhão vcs tem obrigação de rever esses erros grabicimos de máfia do comércio. Os caminhão Basculante antigo nunca deu problemas.

  5. O veículo que tem sistema manual como o meu se a tomada de força estiver ligada o óleo da bomba estiver aberto nada faz a caçamba levantar.
    Estes filhos da putas que só sabe criar leis para ter máfia nos Inmetro.

  6. Joao 26 04 2018 eu acho que a instalaçao e uma boa pode evitar acidentes os preços cobrados pela intalaçao e as taxa sao um absurdo alguem vai ficar mais rico coitado de nos caçambeiros

  7. ROSENILTON BISPO FERREIRA em..

    Simplesmente mais uma forma de roubar. Já não sabemos mais de onde tirar tanto dinheiro para financiar a vagabundagem de tantos pilantras nesse país. Os confiscadores inventam, a cada dia, mais e mais subterfúgios para dilapidar o pouquíssimo patrimônio do trabalhador. Repassar mais esse custo no frete será muito difícil e alguém terá que sangrar. Uma lástima viver nesse país, impossível o honesto permanecer aqui, por isso, não culpo os desonestos. Com as bênçãos de Deus, daqui mais uns 10 anos terei condições de sair desse país. Saída definitiva, para conseguir permanecer honesto.

Deixe um comentário