Sindicato questiona valores de estudo sobre tabela de frete

18

Scania - NTG LD

Preço do diesel e velocidades médias de caminhões são alguns dos itens criticados

Nelson Bortolin

O estudo de revisão metodológica das tabelas de frete feito pelo Grupo de Pesquisa e Extensão em Logística Agroindustrial (Esalq-Log), da USP, tem algumas imprecisões, segundo o Sindicato dos Transportadores Autônomos de Carga (Sinditac) de Ijuí (RS). Com apoio da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), a entidade questiona, por exemplo, o valor do diesel que consta do estudo: R$ 3,15. “Na verdade, hoje já são R$ 3,63”, diz o presidente do sindicato, Carlos Alberto Dhamer, o Litti.

Outro ponto questionado são as velocidades médias estabelecidas no trabalho da Esalq-Log encomendado pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Os caminhões menores (de 2, 3 e 4 eixos) fariam 70 quilômetros por hora e os maiores (5 eixos ou mais), 65 quilômetros por hora. Mas, na verdade, de acordo com Litti, as médias são respectivamente de 40 e 50 quilômetros por hora.

Para a Esalq-Log, o seguro do veículo corresponde a 5% do valor médio do caminhão-trator. Mas, para o Sinditac, é muito mais que isso. “Só de PIS, Cofins e IOF são 11,65%”, afirma. Os salários também estariam desatualizados. No estudo, teria sido utilizada uma remuneração média de R$ 1.400, mas segundo Litti, o correto são R$ 1.858.

Outra questão é que consideraram o diesel como um item que tem 50% de peso na planilha de custos do transporte. Mas esse peso chega a 65% nos veículos mais velhos”, alega o presidente do Sinditac de Ijuí.

Ele explica que há outros pontos a serem questionados durante as audiências públicas que serão realizadas pela ANTT para discutir o assunto. As novas tabelas devem ser definidas até julho.

A respeito dos questionamentos do sindicato, a Esalq-Log disse à Carga Pesada que só irá se manifestar no documento final que irá entregar nas audiências.

Clique aqui para baixar o estudo da Esalq-Log.

ANTT  fará cinco audiências públicas sobre tabela de frete

Compartilhar

18 Comentários

  1. Oi boa noite a todos.o meu nome é Damião . Eu tenho um caminhão truk na greve do ano passado eu fiquei 11 dias lá em Trindade PE. Depois da grande ficou até com a tabela de frete nova. Mas agora não tão pagando mas eu mesmo não sei mas o que eu vou fazer porquê não ta dendo mas pra roda assim sem pneus e não da pra comprar pneus é só pra o abastecimento do caminhão só Deus

  2. Renato messias da silva em..

    O governo tem qui acabar com o monopólio do diesel e acabar com esse roubo do pedágio principalmente no estado de São Paulo qui é um absurdo. Mas propagando do bolsonario ele prometeu acabar com o pedágio e cojitou também do ipva

  3. SANDRO JUNIOR DE SOUZA em..

    Tem que para tudo……está tudo de cabeça para baixo….grandes traspotadora com amagi fazendo lavagem de dinheiro comprando 500 caminhões novo sendo que o mercado está parado e outras conclusões que afirma isto. E tem muito mais empresas comprando dizendo que e mais barato do que contratar frete na tabela tudo desculpa……Vai ver o custo de 500 motorista pagando em folha….seguro só de pneus precisaria um caminhão carregado de pneus a cada 6 meses……fiquem de olho tem jente usado a tabela para se safar da sugeria……Por isso é tudo mais para mim soluções e GREVE GERAL 30 DIAS PARADO GERAL……..

  4. Carlos Alberto em..

    Tabela de frete só vai servir pra caminhões envolvidos no agronegócio, que puxam grãos e carregam a safra anual, no caso dos containers e cargas solta que trabalham no porto, precisamos é de um valor justo do diesel, que sempre foi duas vezes mais baixo que a gasolina, pedágios mais baratos e obrigar as transportadoras a pagar os 70 % do frete antes da viagem ser feita como manda a lei e ninguém quase ninguém cumpre, é + ou – isso.

  5. Jean carlos dos Santos em..

    Bom dia .temos que denunciar p haver fiscalização nas transportadoras prq quase ninguém esta respeitando o piso minimo .

  6. CARLOS ALBERTO AGOSTIN em..

    Essa tabela não vai funcionar sou caminhoneiro autônomo nunca recebi um piso mínimo p quem trabalha tiro longo até melhorou quem trabalha tiro curto e médio ficou ainda pior tem q abaixar os lucros da Petrobras distribuidoras e postos de abastecimento abaixar os impostos fazer valer a lei do vale pedágios deixar correr a lei oferta e procura melhorar a economia baixar os impostos de pneus e peças tem q melhorar tá quebrando todo mundo

  7. Bom dia a todos, torno a repetir na verdade o frete para as transportadoras sempre foi o justo porém das sempre se passaram para o autônomo um valor descaradamente explorador, por isso qualquer piso mínimo ou tabelamento q se constitua tem q fazer valer através de fiscalização . O pedágio PR exemplo é obrigatório pela lei a empresas pagarem, só q elas colocam no manifesto como se estivessem pagando mas não pagam. É nós?!! Nós autônomos somos reféns , dessa realidade, pois temos q sustentar nossas famílias ,e assim vamos deixando o caminhão sucatear , pois temos q comer , e entre viver é morrer de fome , q ande a ferramenta cair essa é a nossa realidade , Istoé de quem tem um caminhazinho em especial

  8. Nelson carreteiro em..

    Na verdade o frete deveria ser definido em base do diesel preco fixo da petrobras. Por exemplo o diesel chega ao posto a pelo preço da petrobras no vslor de 2.70 veiculos de 10 a 20 toneladas 1 litro por km rodado
    De 20 a 30 ė 1.25 por km . De 30 a 50 1.50 e demais acima 50 tonelladas 1.75 a 2.0 o km rodado tanto id como volta. Acabar com esta historia de frete de retorno mais barato
    Isto ę so exemlos . Que se o diesel subr o frete sobe. Se baixar o frete abaixa
    JA QUE DOLARIZARAM O DIESEL. TEM QUE ACOMPANHAR O FRETE
    . TAMBEM

  9. Nelson Aoki em..

    acorda motora …… preço do óleo é igual para todos. É preciso ter iguais condições k eles. Ou trabalhar como micro empresa. Não vão abaixar diesel somente para autônomo, não somos melhores k ninguém e nem menos?

  10. O problema é que os postos de combustíveis vendes o diesel pelo preço que eles querem eles são os causadores dos problemas que afetam o transporte do Brasil teria que ser tabelado os preços é nós postos mas o governo né toca este assunto um dos problema está ai

  11. Nelson Aoki em..

    acorda motora …… preço do óleo é igual para todos. É preciso ter iguais condições k eles. Ou trabalhar como micro empresa. Não vão abaixar diesel somente para autônomo, não somos melhores k ninguém e nem menos? Não é. Sindicato pelego. Trabalham para transportadoras são pagos para isso

  12. O piso minimo do frete é necessário pois os valores de frete praticados pelos atravessadores (pessoas que enriquecem as custas do transportador sem comprar um parafuso sequer) com preço de mercado ou seja abaixo do custo, fomenta o consumo de insumos roubados tais como diesel, pneus, peças etc…O Marco regulatório do transporte também vem de encontro com solução para o transporte onde pequenas empresas criadas com intuito de atravessador e sonegador de impostos (o marco cria nova categoria da ANTT a *ETPP*) que perde o poder de subcontratar… esse será um grande passo em favor dos pequenos transportadores que ao se unirem em cooperativas de transporte terão acesso a fretes melhores independente do piso mínimo que já é praticado por muitas empresas, mas não chega ao transportador, grande parte do valor do frete fica com o atravessador, verdadeiro cancer do transporte em nosso país!!!

  13. Rodo agregado numa grande fabrica em BH e rodo com baú no toco a 2,56 km rodados ida e volta,pedágio por conta deles,me responda se tá no valor exato pela nova tabela de frete.

Deixe um comentário