Caminhoneiro: cuidado com os cruzamentos de via

1

DAF - XF105

Aproximação pela direita nas interseções em ângulo deixa motorista praticamente sem campo de visão

Nelson Bortolin

Acidente recente ocorrido na cidade de Jandaia do Sul, no Paraná, chamou a atenção do engenheiro mecânico da TRS Engenharia, Rubem Penteado de Melo, especializado em transporte. Segundo ele, se o caminhoneiro tivesse tomado uma providência muito simples, o caminhão poderia não ter sido atingido pelo trem.

As interseções em ângulo, como na imagem abaixo, são comuns nas rodovias, especialmente nas rurais. “Mas poucos percebem a diferença enorme nos riscos entre uma aproximação pela esquerda e outra pela direita (pelo lado do carona)”, afirma.

O caminhão tem campo de visão “extremamente” reduzido nas aproximações em ângulo pela direita.

“As barreiras visuais na cabine impedem a observação da via pela direita e podem causar acidentes”, diz Melo.

Uma providência simples pode evitar tragédias. “Se uma interseção pela direita for inevitável, o condutor deve parar e ‘dobrar’ um pouco com o cavalo de modo a manter-se perpendicular à via que está adentrando ou cruzando”, ensina o engenheiro (ver imagem abaixo).

Desta forma, o motorista vai aumentar seu campo visual de modo a enxergar os dois lados do trânsito.

A regra vale também para passagens de nível, como no caso de Jandaia do Sul.

A deficiência no campo de visão à direita é causa de outros tipos de acidentes, como os tombamentos dos conjuntos quando passam sobre o barranco nas laterais das curvas.

Nos conjuntos mais longos, o motorista fica praticamente cego nas curvas à direita. “O retrovisor da direita fica voltado para a cabine do veículo, impedindo o motorista de observar a trajetória do rodado da carreta”, explica.

Às vezes, é preciso descer do cavalo para se certificar de quanto aberta terá de ser a curva.

Scania - Consorcio
Compartilhar
Fenatran - Você na Rota

1 comentário

  1. Nada justifica um acidente após ocorrido!
    Esses acidentes podem servir de alerta, mas eu sempre questiono; porque esses “especialistas” não vão as ruas e empresas para ministrar suas aulas de como fazer.
    Primeiro tem de saber fazer para comentar e segundo somente quem faz pode dar um parecer sensato da situação.
    Vejo que a maior falha nesse acidente de Jandaia, foi a falta de sinalização de alerta para a passagem de nível. Se acaso houvesse um simples sinal luminoso ou uma cancela que pode ser ativado pela aproximação do trem, certamente o acidente não aconteceria.
    Tem de responsabilizar a empresa concessionária da ferrovia sim, pois receberam de graça o patrimônio público e não se investe um centavo para a segurança da população!
    Uma parte do corpo desses empresários que mais é sensível é o bolso, se eles forem multados e responsabilizados arcando com os danos, ai sim haveria mudanças.
    Acidentes entre caminhões, carros e trens acontecem todos os dias e não aparece uma autoridade competente para cobrar das empresas ferroviárias a reparação e investimento em segurança dos que encontram nas áreas de risco!
    Quem vive nas estradas sabe o que estou dizendo!

Deixe um comentário