Sem acordo, caminhoneiros preparam manifestações para setembro

2

Scania - NTG Linha

Lideranças se organizam para tentar influenciar votos dos ministros do Supremo pela constitucionalidade da tabela

Nelson Bortolin

Foram feitas novas reuniões entre governo, caminhoneiros e embarcadores na quinta-feira (15), em Brasília. Mas o impasse continua: os embarcadores aceitam uma tabela de frete desde que apenas referencial. E os motoristas não abrem mão da tabela obrigatória.

Dificilmente haverá algum acordo entre as partes até o dia 4 de setembro, quando o Supremo Tribunal Federal (STF) julga ações de inconstitucionalidades ajuizadas contra a tabela por entidades que representam o agronegócio, a indústria e empresas de transportes.

Caso o Supremo chegue à conclusão de que os preços mínimos de frete não contrariam a Constituição, as negociações serão retomadas. Mas, se a decisão for pela inconstitucionalidade, estará descartada a manutenção de preços mínimos obrigatórios de frete.

Os caminhoneiros decidiram concentrar seus esforços nas duas próximas semanas para organizarem as manifestações que pretendem realizar com o objetivo de influenciar os votos dos 11 ministros do tribunal. Elas serão realizadas em todo o País nos dias 2, 3 e 4 de setembro. O julgamento é na tarde do dia 4.

“Se deixarmos para nos manifestar somente no dia 4 não vai dar tempo de os ministros ouvirem o ruído das estradas”, explica Carlos Alberto Dahmer, o Litti, do Sindicato dos Caminhoneiros de Ijuí (RS). Ele se encontra em Brasília e conta que, apesar do impasse quanto à tabela de frete, há avanços nas negociações de uma proposta que permita aos grandes embarcadores contratarem cooperativas e caminhoneiros autônomos diretamente.

Hoje, essa contratação direta é desvantajosa porque, ao usar os serviços de uma empresa de transporte de carga, o embarcador paga menos impostos. “Temos outras discussões que estamos fazendo em Brasília”, diz Litti.

Veja no vídeo abaixo os caminhoneiros reunidos em Brasília na quarta-feira (14) antes das últimas reuniões da semana.

Compartilhar

2 Comentários

  1. Parece piada de amu gosto esses caras falar que vão mobiliar a categoria!
    Agora não haverá ,ais greve, se houver o pau vai quebar com exército e todo o parado do estado para nos reprimir.
    Estejam certo que greve não adianta, o que resolve mesmo é a categoria tomar atitude e não aceitar frete abaixo do desejado para cobrir custos e deixar lucro, assim funciona a regra capital x trabalho.
    Enquanto aceitar o que é imposto pelos empresários e transportadoras, a coisa vai continuar assim como dantes!
    Somente a conscientização e uma perda imediata nos leva a reverter esse quadro!
    Infelizmente somos uma classe sem união, onde cada um quer ver a destruição do outro, vejam os exemplos nas portas de empresas do ramo! Se Um rejeita o frete por preço baixo, aparece imediatamente outros que acenam para aceitar, somos um gigante morto, Essa é a verdade.

  2. Essa “liderança” que ai está, em breve estão todos concorrendo a um pleito para iniciar na politica, assim funciona a coisa!. Pior é saber que no futuro estão defendendo os interesses da classe que sempre nos dominou com a força do dinheiro!
    Eita Brasil, alguém sabe onde se encontra a LUZ do fim do túnel?

Deixe um comentário