Beija-flor em Minas é o primeiro posto da Total no Brasil

1

DAF - XF105

 Ficou pronto o primeiro posto de abastecimento estradeiro da Rede Total, uma petroleira francesa recém-chegada ao Brasil e decidida a disputar o mercado com outros 150 distribuidores

Luciano Alves Pereira

O Beija-flor é o posto número 1 e está reidentificado por marca, cores e jeitão da nova bandeira. Pretende ser o marco de partida da Total, junto ao que ela chama de clientes revendedores e finais. Ou seja, desde a rede de distribuidores até os consumidores.

Fica na BR-262 Oeste, km 360, junto à ponte do rio Paraopeba, município de Betim (MG). Suas instalações não são de agora e a designação de outrora era Posto Olaria (ver Carga Pesada, dezembro 2018, pág. 34).

Para Jorge Guedes, a nova parceira coloca a segurança em primeiro plano

O ‘figurino’ da Total tem personalidade, visando “ser significativo no país”, conforme palavras de Antoine Tournand, CEO da Total Distribuidora, no evento de inauguração do Beija-flor (22 de agosto). O seu novo look diferencia-se pelo predomínio de tons neutros, como o ocre nas áreas de frente para as bombas, combinando com vermelho nos detalhes.

Mas o que os passantes e ‘parantes’ perguntam é se haverá benefícios para eles no atendimento, etc. Na verdade, melhorias que não implicam em ‘muita labuta’, diante do padecimento do usuário por toda a malha. O oferecido hoje na estrada, de fato, pode, deve e precisa melhorar.

A começar pela pièce de résistance – para usar um conceito francês – os nem sempre bem cuidados toaletes (outro termo francês). Na reforma do Beija-flor, houve mudanças de monta. Para Norberto Neiva, o gerente do posto, “os banheiros ficaram comparáveis aos de shoppings, seja pela limpeza e/ou materiais empregados (boxes de blindex)”.

PROMESSAS – Por sinal, limpeza foi uma das cinco promessas apresentadas por Tournand no evento. “A limpeza das estações reflete nosso comprometimento.” E seguem simplicidade, proximidade, responsabilidade e segurança. Não necessariamente nesta ordem.

São os pilares da sua estratégia de marketing, dos quais o último se destaca nos objetivos da companhia. “Em cada estação Total [estabelecimento próprio ou de terceiros], a segurança dos nossos clientes e colaboradores é nossa prioridade”, lê-se em folheto da Casa. E não para por aí. Detalhando o item, a Total declara: “Seja reabastecendo, adquirindo uma refeição rápida ou fazendo compras, nossas estações de serviços em todo o mundo são lugares onde todos se sentem seguros”.

Aos ouvidos do brasileiro a afirmativa mostra-se corajosa, considerando o nosso instável ambiente estradeiro. Seria acolhedor se o executivo da Total acenasse, por exemplo, com proposições sobre áreas controladas para pernoite dos caminhoneiros, reforçando o discurso da segurança. Por sinal, assunto que a Total conhece bem, por sua atuação na Europa.

Diante de sua passagem ao largo, tem-se de levar em conta as palavras, meio que explicativas, de outro executivo da Total, Momar Nguer, diretor de marketing e serviços da petroleira. Tocando de leve no quadro atual brasileiro, ele acha que “não é o Brasil que está complicado, é o mundo que está… e o papel da empresa é adaptar-se ao cenário”.

Nguer confirmou a já divulgada aquisição da rede de 280 postos, a maior parte situada nos Estados de Minas, Goiás e Mato Grosso. “É claro que esse foi o primeiro passo. A ambição da Total não pode ser ter 280 postos de serviços no Brasil. Não é o que nós somos, temos mais de 14 mil no mundo.” A intenção da companhia é dobrar de tamanho nos próximos três a cinco anos, com destaque para São Paulo, “de longe, o maior mercado brasileiro”.

Por falar em tamanho, Jorge Guedes, dono do Beija-flor, lembrou-se da classificação da Total (4º lugar) no ranking mundial das petroleiras e mostrou-se impressionado com sua visão nas questões de segurança, “como eu acompanhei aqui durante a ‘conversão’ ao novo visual”. Ele estima em R$ 200 mil o custo das obras. A seu ver, “isso reforça a parceria”.

Os próximos postos a trocarem de visual ficam em Araxá e Uberlândia, ambas em MG, mas a ‘virada’ de toda a rede levará mais tempo: até 2021, informa a Total.

Scania - Consorcio
Compartilhar
Transpanorama - A 2 maior

1 comentário

  1. Agora quero ver o que a Total fará no Brasil, falam de privatizar tudo para trazer benefícios ao consumidor , mas na verdade todas elas praticam preços que parecem combinados!
    Isso está mais que claro em todas as distribuidoras de combustíveis, se vai em um estado que o preço varia é em decorrência do ICMS e mesmo com essa diferença do ICMS os preços são nitidamente iguais, implantaram a parcela do milhar nas bombas para mostrar o preço para enganar os desavisados que pensam que o preço em determinado fornecedor é mais barato! Ex. se um vende por R$4.379 e outro vende a R$4.381, pensamos que estamos economizando, mas o valor de 40 litros fica em R$175,16 em um e, no outro a R$175,24, ou seja o desinformado economizou 8 centavos…Somente banheiro limpo, posto bonitinho não agrega valor ao consumidor, principalmente os caminhoneiros que são os grandes consumidores de combustíveis no Brasil e alimenta toda sessa ganância dos distribuidores organizados como ….prefiro um posto com aparência feia e preço baixo que um todo bonitão e preço alto!
    Acorda brasileiros, vamos sair de um oligopólio menor e entrar em outro ainda maior e que imporão os preços ainda mais altos ao consumidor, pois o preço tem de remunerar as multinacionais como a essa e todas as demais para impostar combustíveis a preço de mercado internacional. A “ferrada” só está começando, é ver para crer!
    Saudades dos bons tempos de BR onde o preço de um litro de combustível, tanto aqui nas regiões metropolitanas como nos longínquos rincões desse Brasil era o mesmo e, muito mais atrativos para nos consumidores!
    Como somos um povo sem “raça” e sem conhecimento da nossa origem, amamos os as coisas do exterior e desprezamos as nossas, aceitamos tudo que se impõe a nós, há como seria bom tomarmos como exemplo os equatorianos, mudaria tudo! mas como não somos eles, deixa a broca entrar!
    Hoje o presidente do Equador (Lenín Moreno) foi FORÇADO a retroceder na retirada dos subsídios dos combustíveis que foi aumentado em 100%. E tudo para beneficiar o deus MERCADO!
    E os brasileiros que foram manipulados por grandes empresas para parar o Brasil, agora aceitamos passivamente o aumento absurdo do preço do Diesel.
    Há sim, havia me esquecido; a culpa do aumento do nosso diesel foi decorrente dos ataques a refinaria da Arábia Saudita. Buá, buá…

Deixe um comentário