Ministro da Infraestrutura defende fim da pesagem por eixo

3

Consorcio Scania - Conquiste

Medida tem apoio da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam); concessionárias são contra

Alex Rodrigues – Agência Brasil

O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse hoje (25) que reviu sua posição e, agora, é favorável ao fim da pesagem de caminhões por eixo.

“Está na hora de fazermos uma mudança e acabarmos com a pesagem por eixo, passando a pesar o peso bruto total [do veículo carregado com a carga]”, disse o ministro ao participar de um seminário virtual com investidores do banco Santander, esta manhã.

Segundo o ministro, a pesagem total do veículo é mais adequada às propostas de modernização do setor, que prevêem, entre outras coisas, o fim dos postos fiscais em rodovias e o uso de sensores eletrônicos que permitam a pesagem dos caminhões em movimento.

“Eu era contra acabar com a pesagem por eixo porque, no fim das contas, as falhas em um pavimento são provocadas pela repetição da carga por eixo. Mas há uma dificuldade operacional muito grande para fazer a pesagem por eixo. E pesando o total, a variação por eixo é muito pequena; é tolerável. O ajuste pode ser feito no próprio projeto [rodoviária]”, comentou Freitas.

O ministro lembrou que, desde maio de 2019, está sendo experimentado, no Espírito Santo, o projeto piloto do Documento Eletrônico de Transporte (DT-e), que visa simplificar procedimentos administrativos, substituindo vários documentos em papel por um único documento eletrônico que reúna todas as informações necessárias à viagem. Se aprovada, a iniciativa irá não só acabar com as longas filas de espera nos postos de pesagem, como reduzir a necessidade de postos fiscais.

“Queremos modernizar todo o sistema de transporte. Nosso projeto é substituir vários documentos de papel por um único, eletrônico, reunindo as informações sobre o que está sendo transportado, para onde, por quem, e se a questão fiscal está ok”, comentou o ministro, acrescentando que, em média, um caminhoneiro perde seis horas com procedimentos burocráticos, o que encarece os custos de transporte.

“A gente vai acabar com os postos fiscais nas rodovias, pois eles são um atraso. Parece um sonho, mas não é. Já estamos testando esta tecnologia no Espírito Santo e vamos fazer a alteração na legislação para, em pouco tempo, implantar isto no Brasil inteiro. E, junto, virá a pesagem em movimento, com o uso de sensores instalados no pavimento. Esta pesagem tem que ser por peso bruto, não dá para fazê-la por eixo. Com isso, acabaremos com o negócio da balança – que só vai ser necessária caso o caminhão ultrapasse o peso bruto total e seja necessário uma pesagem mais apurada”, frisou o ministro.

CAMINHONEIROS

A declaração do ministro foi bem recebida pelo presidente da Associação Brasileira dos Caminhoneiros (Abcam), José Fonseca Lopes. “As colocações do ministro são perfeitas. Já há muitos anos os caminhoneiros autônomos brigam por isto, porque este negócio de dividir o peso da carga por eixo é a coisa mais complicada do mundo”, disse Lopes a Agência Brasil.

“Para nós, o caminho sempre foi este, sinalizado pelo ministro. Infelizmente, quem dava as cartas eram as concessionárias de rodovias, que inventavam mil e uma coisas para botar as coisas sempre do jeito delas”, acrescentou o sindicalista. “Termos um documento único para a viagem é importantíssimo.”

CONCESSIONÁRIAS

Já a Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (Abcr) classificou como um “retrocesso” a hipótese de mudança do atual sistema de pesagem. “Não há como se obter o peso bruto total do caminhão ou mesmo a composição do veículo de carga com rapidez e eficiência a não ser pesando cada eixo para se obter o peso total”, argumentou a entidade, lembrando que este procedimento já está disponível inclusive para a pesagem em movimento.

Para a entidade, o que deveria ser revisto e adequado são os níveis de tolerância de precisão permitidos nas variações de aferição e homologação das balanças. De acordo com a Abcr, vários estudos apontam que um caminhão com 20% de excesso de carga reduz em até metade o tempo de duração do pavimento. Além disso, o excesso de peso aumenta o risco de acidentes, reduzindo a capacidade de frenagem do veículo e aumentando a possibilidade de tombamento em curvas – além de provocar desgaste prematuro de veículos pesados.

 

TrucksControl - Sua Frota
Compartilhar
Scania - Nova Linha

3 Comentários

  1. Parece que agora teremos mais justiça a nosso favor! Fui multado por excesso de peso no eixo tracionado e meu caminhão estava com uma carga a menos em 3 toneladas no PBT e mesmo assim recebi uma multa por excesso de 0,4 ton no eixo da tração, lembro que é um bi-truck.
    O mais impressionante é que havia passado em uma balança na MG-050 e e nada foi constatado e na outra em rodovia não concedida em S. S. do Paraíso recebi a multa!
    Mostrei o documento demostrando de onde sai e para onde iria, mas o agente nem quis saber e lavrou a multa! E creiam, não adianta recorrer, é 100% de chance de não ganhar!
    Sou contra o transporte com excesso de peso, mas da forma que é não passa de um sistema para arrecadar dinheiro e nada tem haver com segurança!
    O que poderia ser feito é exatamente isso; verificar o PBT e caso haja uma discrepância maior que 20% ou coisa equivalente, ai sim seria efetuado a multa, mas estar carregado com 3 ton a menos da capacidade e ainda ser multado em 0,4 ton é uma sacanagem!

  2. Infelizmente tudo que o governo federal tenta fazer pelos caminhoneiros, e o povo em geral, não é aceito pelo congresso, ou concessionárias, ou partidos de oposição ou até pelo STF.
    Alem dos postos fiscais que são uma aberração, burocracia que só atrasa o transporte de carga ( só no transporte rodoviário isso acontece ), vc já viu avião, navio ou trem ter de parar em fiscalizações estaduais para apresentar documentos?
    E o tal Imetro que os caminhoneiros tem de andar com um papel para provar que foi feito uma inspeção. Pra que o papel, porque pagar uma taxa absurda para conseguir esse papel – se fosse feito como o registro da ANTT, não precisaria mais dessa burocracia.
    Lembrando que o porte de arma para os caminhoneiros foi brecado pelo congresso. Enquanto isso os ladrões fecham rodovias com carros roubados, e assaltam todos que estiverem parados devido ao interrompimento da via ( isso acontece em diversas rodovias ) enquanto os policiais da PRF ficam parados nos postos, parando os caminhoneiros para multar por qualquer coisa, como lanternas queimadas, altura de parachoque, comprovante do Imetro e outras coisas sem sentido.

  3. Alex johnatha em..

    Ótimo , porém o estado vai ter que arcar com os péssimo estado que as rodovias ficará , uma vez que o excesso no eixo também danifica a rodovia . ja que a maioria que ultiliza as rodovias são carros de passeio ,todos pagam IPVA e merecem rodovias em bons estados

Deixe um comentário