Carreta 4 eixos em basculante é inviável, diz Anfir

0

Volvo Zero Acidentes

Associação também diz que transportador não deve esperar redução de custo de aquisição no novo implemento

Nelson Bortolin

Nem todo tipo de transporte vai poder se utilizar da carreta de 4 eixos, recentemente aprovada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), por meio da resolução 882. Este é o entendimento da Associação Nacional dos Fabricantes de Implementos Rodoviários (Anfir). “É uma coisa nova e está todo mundo procurando por ela. Pode haver um efeito manada”, afirma o presidente da entidade, José Carlos Spricigo, que também é CEO da implementadora Librelato.

José Carlos Spricigo, presidente da Anfir

Um das operações de transporte que, provavelmente, não deverão migrar para a 4 eixos é a feita por meio de carretas basculantes. Isso porque, para aproveitar o Peso Bruto Total da Combinação (PBTC) de 58,5 toneladas, o veículo precisa ter um comprimento total entre 17,5 metros e 18,6 metros. “É uma carreta muito grande para bascular. O risco de tombamento é significativo”, alega.

Na opinião de Spricigo, o bitrem de 7 eixos, deve voltar com força para o segmento de basculantes, uma vez que a resolução 882 também permite que essa configuração, assim como as carretas de 4 eixos, rodem com cavalo 6×2, não mais obrigatoriamente 6×4. Esse fato deve tornar o veículo mais barato.

Segundo o presidente da Anfir, a 4 eixos tende a ganhar espaço no mercado porque levará mais carga que o bitrem, cujo PBTC é de 57 toneladas, e é formada por apenas um implemento. Mas o transportador não deve esperar economizar muito na aquisição dessa carreta. Isso porque o quarto eixo tem de ser necessariamente autodirecional e pneumático, que custa três vezes mais que um eixo mecânico.

Além disso, por exigência legal, pelo fato de ter seu Certificado de Adequação a Legislação de Trânsito (CAT) liberado a partir de 2022 vai necessitar de freio EBS, cuja tecnologia tem custo maior que o ABS que poderá ser mantido no bitrem. “Acho que o preço entre os dois veículos deve ser equivalente ou no máximo 10% mais em conta no caso da 4 eixos na comparação com o bitrem.”

Nenhuma das carretas que já estão rodando no País foi fabricada por implementadora, mas feitas a partir de carretas LS ou Vanderleias, com a inclusão de um quarto eixo em oficinas independentes. As implementadoras aguardam a emissão do CAT da nova configuração para poder começar a produzi-la. “Acredito que isso deve acontecer em março ou abril”, diz Spricigo.

A Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea) preferiu não se posicionar por enquanto quanto à resolução 882. “O tema é complexo e já está em debate no governo há algum tempo. A Anfavea aguarda o envio dos testes que fundamentaram a decisão do Contran para se posicionar”, disse a entidade por meio da assessoria de imprensa.

A publicação da resolução 882, no final do ano passado, pegou muita gente de surpresa. A carreta de 4 eixos e a volta do caminhão trator 6×2 para os bitrens enfrenta críticas de especialistas que consideram as mudanças prejudiciais ao pavimento.
Clique aqui e leia mais.

Camilo Adas

A SAE Brasil, associação formada por profissionais ligados à indústria automotiva, não vê razão nas críticas. “Não tenho nenhum motivo técnico para dizer que (as novidades) vão trazer problemas”, afirma o presidente da entidade, Camilo Adas. “Os estudos feitos pelo observatório são bem completos, bem analíticos. A SAE confia muito no trabalho deles”, afirma. Ele se refere Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), designado pelo Ministério da Infraestrutura para estudar a carreta 4 eixos.

Iveco - Rede
Compartilhar
Volvo Zero Acidentes

Deixe um comentário