VWCO Meteor da Paixão

Com queda de 47%, venda de caminhões é a menor desde 2004

Pinterest LinkedIn Tumblr +
Consorcio-Fenatran2024

Nelson Bortolin

Revista Carga Pesada

Em 2015, foram emplacados em todo o País 71.787 caminhões, segundo a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave) – 47% menos que no ano anterior. Na série histórica da entidade, o volume de vendas só é maior que os de 2002 e 2003, quando foram emplacados 64.891 e 65.309 caminhões respectivamente.

Em 2015, de acordo com a federação, também houve uma queda de 47% nas vendas de implementos rodoviários. Foram 29.996 emplacamentos contra 56.820 de 2014.revista-carga-pesada-vendas-caminhões

Em 2016, segundo estimativa do presidente do grupo G10, de Maringá, Cláudio Adamuccio, o mercado deve ficar, no máximo, do mesmo tamanho do ano passado. De acordo com ele, para a venda de caminhões voltar ao nível de 2014, os juros para financiamento não podem ser maiores que 10% ao ano.

A expectativa do mercado é de que os juros do BNDES serão bem salgados. Acredita-se que a única modalidade que o banco vai liberar é o Finame TJLP, pós-fixado, cujos juros variam durante o contrato conforme a taxa de longo prazo (Selic). Hoje, TJLP mais spread bancário resultam numa taxa de cerca de 14,5% ao ano.

De acordo com Adamuccio, uma empresa de transporte rodoviário de cargas, “quando bem gerida”, tem resultado de 8%. Por isso, não pode pagar taxas maiores que 10% ao ano. “Se os juros do Finame chegarem a 18%, como andam dizendo, as vendas de caminhões podem cair ainda mais”, estima.

O ex-presidente da NTC&Logística e atual conselheiro da entidade, Geraldo Vianna, também acha que “as perspectivas de reaquecimento do mercado de caminhões são muito remotas”. Segundo ele, o problema não está nas taxas de financiamento. “Enquanto o Brasil não voltar a crescer, não haverá retomada das vendas de caminhões”, na opinião de Vianna. “Primeiro, porque o transportador está endividado. E quem tem dinheiro e crédito não tem motivos para comprar”, diz, ressaltando que a demanda de carga está menor que a oferta de caminhões.

O representante da NTC&Logística cunhou a expressão “bolha rodoviária” para se referir ao processo de produção e venda “exagerada” de caminhões nos últimos anos. “O governo quis agradar à indústria automotiva e manter os empregos dos metalúrgicos e exagerou nos incentivos”, na opinião dele. “Saímos de 80 mil caminhões por ano para mais de 150 mil, num prazo de apenas cinco anos. Então, não é que as vendas tenham caído em 2015: elas estão apenas voltando ao normal”. De acordo com Vianna, o transporte rodoviário de cargas não precisa de mais de “70 ou 80 mil” caminhões novos por ano no Brasil.

Truckscontrol
Compartilhar

Deixe um comentário