VWCO Meteor da Paixão

Aldo Locatelli: “O Estado se intromete demais”

Pinterest LinkedIn Tumblr +
Consorcio-Fenatran2024

Com nove postos de estrada, o mato-grossense Aldo Locatelli é o maior revendedor de diesel do País: mais de 27 milhões de litros por mês – média de três milhões por posto. Há 43 anos no ramo, ele se diz amigo dos caminhoneiros. “Pode haver algum que fale mal da gente, mas ganho presentes dos motoristas todos os dias”, afirma.
Conhecido por falar abertamente o que pensa, ele critica a resolução da ANTT que proibiu a carta-frete e obriga o pagamento de caminhoneiros autônomos apenas por depósito bancário ou via cartões de administradoras autorizadas.
Também dispara contra a lei 12.619 (veja reportagem), que definiu o tempo de descanso obrigatório do motorista. “O motorista quer trabalhar mais para ganhar mais e não pode. Isso é uma inversão de valores. O Estado está interferindo demais na vida do brasileiro.” Confira as opiniões que o empresário expressou em entrevista à Carga Pesada:

OPERAR COM CARTÃO É CARO
Na opinião de Locatelli, “é inviável” vender diesel com cartão no Brasil. “As administradoras cobram taxas de 2,5% a 3% das empresas. Para o consumidor, isso vai representar 6 centavos a mais por litro. É muito.” O único cartão que seus postos aceitam é o Repom, parceiro antigo que cobra só 0,5%.
Ele acha que não perde clientes por causa disso. “Sou o maior vendedor de diesel do Brasil. Dos meus nove postos, cinco ou seis estão entre os 30 maiores do País. Não me preocupo.” Em seus postos, existem carros disponíveis para o cliente ir sacar dinheiro no banco, caso ele só tenha cartão para pagar pelo combustível.

Os postos de Locatelli só aceitam cartão Repom: a taxa dos outros é alta demais

Os postos de Locatelli só aceitam cartão Repom: a taxa dos outros é alta demais

Quanto à carta-frete, agora proibida, o empresário diz que nunca cobrou mais que o preço à vista para trocar carta-frete em sua rede. Admite, no entanto, que existem postos que exploram os motoristas. “Existem postos desonestos, assim como existem caminhoneiros desonestos…” Mas, para Locatelli, a ANTT se apegou “ao detalhe de alguns donos de postos que cobravam mais”, e escolheu o remédio errado.
Locatelli considera injusto o Estado determinar a forma de pagamento de fretes dos motoristas. “Qualquer um pode receber pelo seu trabalho em cheque ou duplicata, mas o motorista não pode”, reclama.
Segundo o empresário, o novo sistema só é bom para bancos e administradoras de cartões. “O governo pegou R$ 70 bilhões (valor estimado dos fretes por ano no País) e deu para os bancos”, ressalta.

O CAMINHONEIRO É UM AMIGO
O empresário, que está há 43 anos no ramo, se considera “um amigo” do caminhoneiro. “Eu falo a linguagem do motorista. Todo dia ganho um vinho ou outro presente de algum cliente”, declara. Ele diz que costuma ir “até a casa” dos clientes. “Eu vou a Garibaldi, no Rio Grande do Sul, vou a Astorga, no Paraná, vou a Santa Catarina. Converso com o caminhoneiro de igual para igual.” Em seus nove postos, na terceira quarta-feira do mês tem churrasco de graça para os clientes nos nove postos.

TER POSTO RENDE POUCO
Aldo Locatelli diz que a revenda de combustíveis deixou de ser o bom negócio de antigamente. “Ganhamos cada vez menos.” A margem de lucro anda entre 7% e 8%, segundo ele. Mas não se queixa do volume de vendas.
O empresário explica que sua opção pela bandeira branca permite vender diesel mais barato. “Só compro da Shell, Petrobrás, Ipiranga, mas se tiver a bandeira deles, vão me cobrar alguns centavos mais caro. Eu economizo esses centavos e repasso para o cliente”, afirma.
Quanto ao novo diesel, o S50, menos poluente, Locatelli o considera “uma revolução”. “O problema é que está muito caro”, acrescenta, embora diga que já vem conseguindo comprar “por um bom preço”. “Já tenho o S50 em Cubatão, Curitiba e Paranaguá. Em Mato Grosso, só tenho em alguns postos. Estou colocando em Rondonópolis”, explica.

LEI DO DESCANSO É EXAGERO
Sobre a lei 12.619, que obriga o motorista a parar meia hora a cada quatro horas ao volante e a descansar 11 horas entre dois dias, ele se mostra radicalmente contra. “O Estado está exagerando ao determinar quanto tempo o caminhoneiro pode trabalhar”, diz.
Locatelli defende “a educação” para prevenir acidentes e fala coisas do tipo: “Só porque alguns matam com facas, deveríamos proibir a fabricação de facas?”; ou “vão ter de proibir a venda de caminhões, pois são os caminhões que matam”.
Para ele, “se o motorista bebe, mas dirige certinho, não há problema algum. Mas se cometer um ilícito, prisão para ele”.
O empresário acha que, com essa lei, os honestos e conscientes, que sabem dosar as energias, são penalizados. “O honesto quer trabalhar mais e ganhar mais, mas não pode. Eu sou motorista, comprei caminhão, paguei certinho e sou obrigado a dirigir no máximo oito horas? Não é justo. Por que não proíbem os automóveis?”
Apesar de ser contrário à regulamentação, ele está preparado para ampliar sua área de estacionamento em Cuiabá, para oferecer descanso. “Tenho o equivalente a seis campos de futebol comprados para colocar caminhão”, afirma. E calcula que, para o negócio ser rentável, terá de cobrar cerca de R$ 50 de pernoite. É mais do que ele diz que ganha, em média, por veículo abastecido: R$ 30.

Truckscontrol
Compartilhar

2 Comentários

  1. Este me9todo seria educae7e3o. Entretanto, como vocea disse, temos um curredculo que vem de cima para baixo e todo o ensino patdauo em uma estrutura totalmente fechada. c9 por isso que ne3o de1 para falar em educae7e3o ou ensino . Temos doutrinas. E ne3o poderia ser diferente em uma sociedade pautada num modelo em que se deposita a liberdade de governo nas me3os de grupos que supostamente sabem o que e9 melhor para todos . c9 uma estrutura criste3, poledtica, corporativa e em faltima inste2ncia social. O que se3o os professores de ensino fundamental (infantil, me9dio e muitas vezes universite1rio), eclesie1sticos, governantes, gestores, etc? Por uma queste3o de ser politicamente corretos, falamos em educae7e3o e aprendizagem .Seria muito feio mostrar como as pessoas depositam suas inteligeancias (e liberdades) em power points . E eu ne3o falo que existam Grandes Inquisidores (o do Dostoieviski mesmo) pipocando por aed. O pessoal do power point e9 fruto dessa estrutura e sf3 a repete inconscientemente.Esse e9 um assunto que de1 muito pano pra manga. Gostaria de bater esse papo com vocea!

  2. O Brasil não tem nem um orgão que fiscaliza essas marcas de caminhões chineses;Trabalho com um caminhão sinotruk 2010 já troquei 16 vezes a lanterna 10 vezes asanfona do escapamento já seco o carter de óleo 2 vezes devido a problema de uma valvula do freio motor ( não entro na garantia) em uma das vezes o banco motoristaé a mesma coisa de um carroça.Reclamo na concessionarias ele riem na minha cara e fala esse modelo é assim mesmo.Entra em uma concessionaria para fazer a revisão e não saio com menos de 3 dias.PIOR CAMINHÃO DO MUNDO

Deixe um comentário